Os Simpsons completam 20 anos

Foram apenas algumas vinhetas de 30 segundos de duração estreladas por eles na série de TV The Tracey Ullman Show, nos Estados Unidos, a partir do dia 19 de abril de 1987, mas suficientes para que os Simpsons ganhassem a simpatia do público e, dois anos depois, estreassem um especial solo e, em 1990, seu próprio seriado, dessa vez com meia hora dos mais puros nonsense e críticas ácidas à sociedade americana – e mais ainda a uma certa instituição chamada família.

De lá para cá, são quase 400 episódios exibidos até hoje em vários países, um iminente longa-metragem para o cinema, diversos prêmios e uma versão para as revistas em quadrinhos que continua a trajetória de sucesso da TV.

Centrado no dia-a-dia de Homer, o pai lerdo, preguiçoso, comilão, incapaz e, resumindo tudo, inútil; Margie, a mãe Homeresquisita, mas sábia e equilibrada; os filhos Bart (malandro e traquina), Lisa (astuta e sagaz) e a bebê Maggie; além de em muitos outros de uma vasta galeria de personagens secundários e não menos marcantes, Os Simpsons foi apontado em algumas pesquisas nos Estados Unidos como a melhor série de desenhos animados na história dessa arte.

Em uma dessas pesquisas, realizada pela revista Time, o irrequieto garoto Bart Simpson figurou entre as 20 personalidades mais influentes da década de 1990, à frente de muitos nomes da vida real.

Mas esse é apenas um entre tantos outros fatos que, nestes 20 anos de existência da família menos exemplar do mundo pop, virou notícia mundo afora. A maioria desses destaques é fruto das polêmicas comumente geradas em cada aventura televisiva dos Simpsons, sempre Bartàs voltas com alfinetadas ao modo de vida norte-americano, ao governo dos Estados Unidos, às convenções estabelecidas, às religiões e tudo mais que possa despertar a ira dos mais conservadores e uma crise de risos nos que amam vê-los desdenhar do que é chato ou complicado de entender.

Até o Brasil já virou alvo das piadas infames dessa família maluca, quando foi retratado no episódio O Feitiço de Lisa (13ª temporada, 2002) como um país onde onças andavam à solta pelas ruas e as pessoas só pensavam em sexo, além de outras particularidades que levaram autoridades brasileiras a se manifestarem publicamente com arroubos patrióticos. Apesar da celeuma, o seriado não perdeu seus fãs e continua sendo exibido por aqui na TV Globo.

E assim caminham os Simpsons, com as baterias do humor e das críticas tão carregadas que ainda seguirão em frente por muito mais décadas, mostrando o que há de ridículo e engraçado na difícil tarefa de levar o mundo a sério.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: