MY NAME IS BRUCE – A Lenda Viva!

19/08/2009
Seu nome é BRUCE!
BRUCE FUCKING CAMPBELL!

(E não é dono da sopa CAMPBELLS! heheheh)

E vocês me perguntam: “Mas que diabos isso tema  ver com OTKAUS ou com coisas ORIENTAIS?”
Pois bem: GuanDi, deus chinÊs do TOFU, efeitos especiais ao estilo TOKUSATSU, e diversão contagiante. Ah, teve até brinquedos dele lançados pela Bandai no Japão, e epla MacFarlane Toys nos USA. Deu pra sacar? heheh
BRUCE CAMPBELL é um dos mais famosos otakus do planeta, heheh

Tem gente que vê novela e acha que aquilo é verdade, confunde os atores com os personagens e, não raro, tenta agredir os “vilões” na rua. Por aqui, vira caso até de chamada em capa de jornal. Absurdo. Como a trama de “My name is Bruce” — metacomédia co-escrita, produzida e dirigida por Bruce Campbell, o imortal anti-herói Ash da trilogia “Evil dead”, de Sam Raimi — que brinca com isso.

O filme, que saiu em DVD e Bluray em todos os países exceto o Brasil (e dizem que em breve lançará por aqui, mas, eu duvido), é uma comédia de humor negro que mistura ficção com realidade. Quando um estranho monstro começa a assustar uma cidadezinha de mineiros no meio dos Estados Unidos, matando parte de sua pequena população, um grande fã de Bruce Campbell parte para Hollywood em busca do ator, com a idéia de que, como ele matou muitos demônios nos três “Evil dead”, além de outros filmes B, um a mais não será problema.

Acontece que, na “real”, Bruce é o que é: um ator cult de filmes baratos, nada mais que isso.  Mas ele exagera um bocado em seu perfil, sendo retratado como um perdedor que vive num trailer, anda sempre bêbado, deve dinheiro à ex-esposa, e trata mal os que o procuram em busca de fotos ou autógrafos. Continue lendo »


Pesquisa demostra aumento da vida sexual entre jovens japoneses

01/07/2009

0627kazoku

O levantamento foi realizado pela Associação de Planejamento Familiar do Japão, com estudantes do terceiro ano do ensino médio (jovem entre 16 e 18 anos), revelou que 47,3% dos meninos e 46,5% das meninas, tiveram alguma experiência sexual. Resultados de outros grupos de diferentes faixas etárias apontam uma tendência geral de que cada vez mais os jovens estão iniciando a “vida sexual” cada vez mais cedo.

No entanto, desde o ultimo levantamento (em 1999), os pesquisadores notaram uma diminuição de 40% do interesse sexual entre os adolescentes mais jovens. Agora somente 31% dos meninos e 14% das meninas em idade colegial gostariam de ter uma experiência sexual até o final do ensino médio.

Apesar disto tudo, uma preocupante porcentagem de 15% dos meninos e 18% das meninas de 18% preferem não ter relações sexuais, ou desejam esperar até o casamento (o que no Japão significa em torno dos 30 anos).

Fonte: Ameba